Buscar

Pai e filha vivem juntos a experiência no Desporto Escolar

Por: Assessoria de imprensa


Dando sequência à série “Experiências no Desporto Escolar”, hoje vamos contar a história da karateca Brenda Garret, de Ponta Grossa, e do pai, também técnico, Anderson Garret. Em 2019, ambos participaram do Mundial Escolar de Combate Games na cidade de Budapeste, na Hungria.

Anderson e Brenda Garret no embarque para a Hungria em 2019 (Foto: Arquivo pessoal)


Com influência dos pais, os senseis Anderson e Dyene Garret, Brenda treina desde muito pequena e com apenas seis anos de idade estreou em competições. Aos 12, começou a disputar as seletivas nacionais e desde 2017 faz parte da Seleção Brasileira de Karatê. “Meu maior sonho é conseguir entrar na Olimpíada, representar o Brasil e ser campeã mundial. Se Deus quiser vai dar certo”, disse Brenda.


Enquanto esse momento não chega, outros sonhos já foram realizados com o apoio da FDEPR e da CBDE. Em 2018, a jovem participou da Seletiva Estadual e garantiu a classificação para a GYMNASIADE pela Seletiva Nacional. Com isso, representou o país no Mundial Escolar realizado na cidade de Marrakesh, no Marrocos, onde conquistou a medalha de prata na categoria kata. Em 2019, Brenda participou do segundo Mundial, dessa vez em Budapeste, na Hungria, trazendo a medalha de bronze para o Brasil.

Brenda com a medalha de bronze conquistada no Mundial Escolar de Combate Games

(Foto: CBDE)


“Foram competições marcantes e inesquecíveis na minha vida, com títulos importantíssimos para a minha carreira. Sem a FDEPR e a CBDE eu não teria essas experiências e momentos tão especiais, os aprendizados e as amizades que fiz. Posso dizer que foram as duas melhoras viagens da minha vida e que vou ter sempre muitas memórias incríveis. Acredito que todos os jovens precisam sentir o mesmo que eu senti pelo menos uma vez na vida”, falou.

Pódio do Karatê na GYMNASIADE , Marrocos 2018 (Foto: Arquivo pessoal)


E não foi apenas as competição de alto rendimento que a encantaram. Brenda também destacou os bastidores e todo o sistema. “A organização das federações e confederações é impecável, desde a estrutura do eventos, o cuidado com os atletas em todos os sentidos, a escolha dos profissionais e os equipamentos distribuídos. Só tenho a agradecer pelas experiências inesquecíveis”.